Category: Notícias

O Plano Metropolitano de Mobilidade Urbana Sustentável da amL já está a ser construído: um projeto para uma mobilidade urbana sustentável

A TML – Transportes Metropolitanos de Lisboa e a Área Metropolitana de Lisboa (AML) iniciam um importante projeto de mobilidade urbana em Portugal. O Plano Metropolitano de Mobilidade Urbana Sustentável (PMMUS) é um complexo e completo exercício de planeamento para uma mobilidade metropolitana alinhada com as necessidades da população. Este projeto para a área metropolitana de Lisboa (amL) implica um investimento aproximado de 390 mil euros e será conduzido pela TML com o apoio da empresa Way2Go.

O Plano tem por objetivo identificar necessidades e propor medidas e ações para melhorar a mobilidade dos cidadãos em contexto metropolitano e dos seus 18 municípios, promovendo uma mobilidade sustentável, segura e eficiente de cidadãos e de mercadorias, incorporando aspetos climáticos e energéticos, abordando questões de segurança, inclusão e acessibilidade, destacando a amL como exemplo de sustentabilidade a nível europeu.

Com a estreita colaboração metropolitana entre os 18 municípios, o PMMUS representa uma visão coletiva destinada a transformar a mobilidade na região de Lisboa. Este plano visa reunir informações para identificar as necessidades e os problemas de mobilidade, permitindo a identificação de programas e mecanismos de financiamento que possam atender às necessidades identificadas e impulsionar uma mobilidade mais eficiente e em linha com as necessidades da população.

Este Plano ambicioso tem um prazo de execução de 20 meses e segue as boas práticas nacionais e internacionais nomeadamente as Diretrizes da Comissão Europeia para a realização de Planos de Mobilidade Urbana Sustentável, e inclui duas vertentes que a TML considera como basilares para a obtenção de um bom resultado, quer ao nível da exequibilidade das medidas, quer na sua aceitabilidade:

a) Avaliação Ambiental Estratégica, inovadora neste tipo de planos, tem o objetivo de identificar e avaliar o impacto das atividades associadas ao transporte de pessoas e bens, bem como selecionar propostas com vista a aumentar a eficiência energética, climática e ambiental; e

b) Participação e envolvimento das populações, destacando a componente da Participação Pública no projeto, refletindo o compromisso com a sustentabilidade e com os cidadãos que vem reforçar a visão de um projeto feito com e para as pessoas, já que todos serão convidados a participar em diversos momentos de participação pública a ocorrer nas diferentes fases do Plano (do diagnóstico às propostas).

O PMMUS não apenas redefine a mobilidade urbana, mas também coloca Portugal na vanguarda dos esforços europeus para alcançar cidades mais sustentáveis e acessíveis.

O Plano teve o seu início no passado mês de dezembro, tendo no dia 16 de janeiro reunido a comissão técnica de acompanhamento na biblioteca municipal da Amadora, contando com a presença de técnicos e autarcas dos 18 municípios da AML.

Carlos Humberto de Carvalho, Primeiro Secretário Metropolitano da AML, destacou a importância do PMMUS, salientando que este projeto representa um pilar fundamental de planeamento estratégico a desenvolver pela TML. A área metropolitana de Lisboa está a dar um passo audacioso em direção a um futuro mais sustentável e eficiente em termos de mobilidade urbana.

O Presidente da TML, Faustino Gomes, sublinhou o compromisso da entidade em servir as pessoas conhecendo as suas necessidades de mobilidade e explorando soluções, e afirmou que o PMMUS é um passo essencial para alcançar esse objetivo de forma mais consciente e que assim se possa escolher o transporte público como meio preferencial para viajar, beneficiando a sociedade de estilos de vida mais saudáveis e em linha com as metas e objetivos ambientais.

Este é um marco histórico que reflete o empenho coletivo na construção de um futuro mais sustentável e eficiente para a mobilidade urbana na Área Metropolitana de Lisboa.

Em 2024 o passe navegante® será gratuito para todos os estudantes até aos 23 anos

O passe navegante® será gratuito para estudantes até aos 23 anos e a partir de hoje já pode ser carregado com a gratuitidade para utilizar em janeiro de 2024.

Esta medida é válida a partir de dia 1 de janeiro de 2024 e permitirá a todos os estudantes até aos 23 anos de idade viajar gratuitamente em toda a área metropolitana de Lisboa (amL).

Os atuais detentores do passe navegante® 4/18 ou sub23 necessitam de carregar o seu passe mensal já a partir do dia 26 de dezembro, como habitualmente o fazem, mas desta feita sem custos para os utilizadores. Este carregamento já está disponível em toda a rede existente dos operadores de transporte na área metropolitana de Lisboa e rede navegante® payshop.

Para mais informações consulte o site navegante.pt e esclareça eventuais dúvidas que possam surgir sobre esta medida.


Sobre o passe navegante®

O passe navegante® lançado em abril de 2019 continua a não aumentar o preço desde o seu lançamento, continua a manter a amplitude geográfica e a incluir todos os modos de transporte.

O passe navegante® com a abrangência metropolitana e com todos os modos de transporte incluídos, começou por existir em várias modalidades, o navegante® 12 totalmente gratuito para crianças em toda a amL, o navegante® +65 para maiores de 65 anos com um preço de 20€ mensais, o navegante® família com o preço máximo de 80€ mensais independentemente do numero de pessoas do agregado familiar, e os navegante® municipal e metropolitano por 30€ e 40€ respetivamente, alargando-se agora a gratuitidade a todos os jovens estudantes até aos 23 anos de idade.

Esta medida de alargamento da gratuitidade prevista no orçamento do estado, contribui de forma substancial para a mobilidade coletiva e sustentável para além de contribuir significativamente para a economia familiar.

Está lançada a mais recente iniciativa de responsabilidade social e ambiental da Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML)!

Em 2024 os passes navegante® não terão qualquer aumento de preço

Desde a sua criação em 1 de abril de 2019 que o passe navegante® não sofre alterações de preço.

Conforme previsto no Relatório do Orçamento do Estado 2024, este congelamento de preços torna possível, no próximo ano, continuar a efetuar deslocações em todos os operadores de transporte com o navegante® pagando os preços habituais: 30€ para o navegante® municipal – para deslocações dentro de um só município – e 40€ para o navegante® metropolitano – para deslocações nos 18 municípios da área metropolitana de Lisboa. Da mesma forma, continuam em vigor os descontos previstos para o navegante® família e +65 mantendo-se a gratuitidade do navegante 12, sendo esta alargada em 2024 aos estudantes sub 18 e sub 23, aguardando-se publicação do respetivo despacho governamental de enquadramento.

Por decisão da Área Metropolitana de Lisboa, também os tarifários ocasionais válidos na Carris Metropolitana não sofrerão alterações no próximo ano, mantendo igualmente o valor que vigorava à data do seu lançamento, em junho de 2022. Esta iniciativa conjunta dos municípios define que os títulos pré-comprados e de bordo da Carris Metropolitana manterão os seus preços em 2024, uma medida que corresponde a um investimento municipal na mobilidade coletiva e tem como objetivo consolidar os tarifários e o serviço que abrange toda a área metropolitana de Lisboa, desde 1 de janeiro de 2023.

O preço do navegante® mantém-se inalterado deste o seu lançamento em 2019, apesar do aumento da Taxa de Atualização Tarifária desde essa data – o aumento para 2024 é de 6,43%, conforme determinado pela Autoridade de Mobilidade e Transportes.

O não aumento dos passes navegante® e dos títulos ocasionais válidos na Carris Metropolitana, são medidas que vão ao encontro da necessidade de mobilizar cada vez mais cidadãos para a utilização de transportes públicos coletivos e promover a mobilidade sustentável, respondendo em simultâneo à emergência climática e à economia das famílias.

Atualizações Tarifárias para 2024 na Área Metropolitana de Lisboa

O Conselho de Administração da TML – Transportes Metropolitanos de Lisboa E.M.T., S.A. (TML) aprovou, nos termos legais, os valores finais das tarifas dos títulos disponibilizados na área metropolitana de Lisboa, no âmbito da atualização tarifária regular para o ano de 2024.

Sublinha-se que os passes navegante em vigor na área metropolitana de Lisboa desde 2019, assim como o tarifário de títulos ocasionais dos serviços da Carris Metropolitana, não terão qualquer aumento em 2024.

Consulte aqui as tabelas 2024 referentes à Carris MetropolitanaScotturb e Fertagus.

A evolução da mobilidade em Portugal já é uma referência no Brasil

A ANTP, Associação Nacional de Transportes Públicos do Brasil, realizou uma visita a Portugal para vivenciar de perto o Sistema navegante® e para conhecer o trabalho desenvolvido pela TML  na defesa e promoção do direito à mobilidade para todos. Essa troca de experiências e boas práticas foi fortalecida durante a participação da TML no último congresso da ANTP, por convite da associação brasileira.

O setor dos transportes no Brasil tem se mantido unido em busca de novas conquistas, e a experiência portuguesa impressionou positivamente, levando os representantes brasileiros a destacar que “Portugal transformou o transporte público em protagonista do direito e da justiça social do país.” Esse reconhecimento gerou reflexões sobre a possível implementação de medidas similares no Brasil para aprimorar o serviço à população.

O congresso promoveu debates cruciais sobre modelos de gestão, custeio e financiamento do transporte público, resultando na proposta de revisão e eventual alteração à legislação relacionada ao Transporte Público. Essa proposta representa um avanço significativo na busca por soluções mais inovadoras e sustentáveis.

Durante os debates, foram abordados temas como formas de contratação dos serviços de transporte público, a consideração de um sistema único de mobilidade urbana, a reintrodução do debate sobre Tarifa Zero, a expansão dos subsídios públicos em várias cidades brasileiras e o início concreto da formulação de planos de negócio para a implementação da eletromobilidade no transporte público.

Essas iniciativas refletem um compromisso coletivo em promover uma transição energética no setor de transportes, com foco na sustentabilidade e na busca por soluções inovadoras para enfrentar os desafios contemporâneos da mobilidade urbana. A ANTP e a TML desempenham papéis fundamentais nesse cenário dinâmico, promovendo a cooperação internacional e contribuindo para o progresso do transporte público no Brasil e em todo o mundo.

+ info:

Reportagem sobre a TML in Jornal do Comércio | https://lnkd.in/ddr3YAas

Reportagem sobre a TML in Diário do Transporte | https://diariodotransporte.com.br/2023/10/30/portugal-mostra-que-e-possivel-reduzir-preco-das-tarifas-e-integrar-todo-o-sistema-de-transportes-em-regioes-metropolitanas-com-um-unico-cartao/amp/

A TML – Transportes Metropolitanos de Lisboa está presente na COP28 UAE!

A convite do Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT), a TML marcou presença no Pavilhão de Portugal da COP28 UAE, no Dubai, numa mesa redonda destinada à reflexão do tema  ❞𝗧𝗿𝗮𝗻𝘀𝗽𝗼𝗿𝘁𝗲𝘀 𝗣𝘂́𝗯𝗹𝗶𝗰𝗼𝘀: 𝗣𝗼𝗿𝘁𝘂𝗴𝗮𝗹 𝗥𝘂𝗺𝗼 𝗮̀ 𝗡𝗲𝘂𝘁𝗿𝗮𝗹𝗶𝗱𝗮𝗱𝗲 𝗖𝗮𝗿𝗯𝗼́𝗻𝗶𝗰𝗮❞, uma aposta do IMT num painel centrado nas políticas públicas com foco num futuro com uma mobilidade mais sustentável.

Com o mote “Public Transport: Steering Portugal Towards Carbon Neutrality”, o Presidente da TML, Faustino Gomes, juntou-se ao debate moderado pelo Presidente do IMT, João Jesus Caetano, que contou com a participação do Secretário de Estado da Mobilidade Urbana, Jorge Delgado, o Secretário-Geral do ITF, Young Tae KIM, o Administrador dos TIP, Manuel Paulo Teixeira e a Coordenadora do Grupo de Projeto da Mobilidade Ativa, Sofia Pires Bento.

Taxa de Atualização Tarifária aprovada pela Área Metropolitana de Lisboa para 2024

Tendo em conta:

  • as iniciativas descritas na versão consolidada de 16 de outubro de 2023 do Relatório do Orçamento do Estado 2024, “pelo cuidado que demonstram no acompanhamento das várias fases da vida dos cidadãos, perante um contexto que é exigente e incerto”, que “privilegiam o transporte público (como o congelamento dos preços dos passes e o investimento no alargamento da frota)”, nomeadamente a de manutenção dos preços dos passes dos transportes públicos;
  • a Taxa de Atualização Tarifária definida pela Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT) a vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024, de 6,43%;
  • o início da operação da Carris Metropolitana (Área 4 em junho de 2022, Área 3 em julho, Áreas 1 e 2 em janeiro de 2023), com definição e implementação de um novo sistema tarifário para os títulos ocasionais;
  • e, finalmente, o objetivo de promoção da utilização dos transportes públicos coletivos, preconizado para a área metropolitana de Lisboa.

A Área Metropolitana de Lisboa decidiu:

Considerar a possibilidade de os operadores poderem aplicar até ao valor da Taxa de Atualização Tarifária a vigorar para o ano de 2024, conforme publicado pela Autoridade de Mobilidade e Transportes,para os títulos de transporte ocasionais de 6,43%, de acordo com a Portaria n.º 298/2018 e o Regulamento n.º 430/2019 da AMT.

Conforme iniciativa descrita na versão consolidada de 16 de outubro de 2023 do Relatório do Orçamento do Estado 2024, acima referida, também não haverá aumento dos preços de venda ao público dos passes do tarifário navegante®.

Tendo em conta a delegação e subdelegação de competências, a TML – Transportes Metropolitanos de Lisboa, irá aferir o cumprimento desta decisão através da verificação dos valores de venda ao público apresentados pelos operadores de transporte.

Assinada Declaração de Barcelona que vem destacar o papel das Autoridades de Transporte Público

A EMTA, associação que junta as autoridades de transporte metropolitanas da europa e da qual a Transportes Metropolitanos de Lisboa faz parte, celebrou os seus 25 anos e promoveu um encontro em Barcelona, numa conferência que para além da comemoração teve o propósito de eleger um novo Vice-Presidente, Faustino Gomes, Presidente da TML que passa a acumular funções enquanto VP da EMTA. Mas o acontecimento em destaque para esta celebração foi a assinatura da Declaração de Barcelona.

A Declaração de Barcelona vem destacar o papel especial das autoridades de transporte público na criação de uma mobilidade sustentável e descarbonizada na Europa.

A conferência contou com a participação de convidados da Comissão Europeia, POLIS, UITP e com os representantes eleitos das regiões EMTA que discutiram formas de alcançar objetivos políticos para o alcance de soluções de mobilidade sustentável que possam reforçar a mensagem da declaração.​

Nesta Declaração assinada no dia 27 de outubro de 2023, em Barcelona, os membros da EMTA declaram que:

  • São responsáveis por tornar o transporte público a melhor opção de escolha preferida para a maioria das viagens;
  • Apelar a compromissos claros e renovados em matéria de transportes públicos nas legislações nacionais e da EU;
  • Comprometer-se a continuar a integrar serviços locais e regionais em sistemas de transporte público metropolitano de alta qualidade;
  • Solicitar regulamentações diferenciadas que distingam a procura de viagens metropolitanas das viagens de longa distância;
  • Apelo a canais estruturais de colaboração com a EU;
  • Apelo a mandatos formais dos governos nacionais e europeus;
  • Solicitar subvenções para a descarbonização, incluindo a possibilidade de as áreas metropolitanas se candidatarem a fundos diretos com a UE numa escala que reflita a magnitude dos desafios em questão;

A declaração foi elaborada pelos 34 membros da EMTA e endossada pelos representantes políticos convidados para a conferência da EMTA que assinalou o 25º aniversário da organização:

  • Marco Gabusi, Região do Piemonte, Conselheiro Regional dos Transportes, Presidente da Assembleia da AMP
  • Grégoire de Lasteyrie, Região Ile-de-France, Vice-presidente da Ile-de-France Mobilités
  • Carla Tavares, Área Metropolitana de Lisboa, Presidente do Conselho Metropolitano
  • Anton Fendert, Região de Estocolmo, Presidente da Comissão de Transportes

Marco Gabusi, Grégoire de Lasteyrie, Carla Tavares, Dorthe Nøhr Pedersen, Anton Fendert e Laurent Probst, foram os signatários da Declaração EMTA Barcelona de 27 de outubro de 2023.

Transportes Metropolitanos de Lisboa no Conselho de Administração da EMTA

A EMTA tem uma nova representação no Conselho de Administração. Faustino Gomes, Presidente do CA da Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML) foi nomeado Vice-Presidente da EMTA.

Naquela que foi a 50ª Assembleia Geral que se realizou no passado dia 26 de outubro em Barcelona, os delegados das autoridades de transporte das maiores áreas metropolitanas europeias elegeram, para um mandato de dois anos, Katalin Walter, presidente da BKK (Budapesti Közlekedési Központ), como nova presidente da EMTA, Faustino Gomes Presidente da TML e Laurent Probst, presidente da Île-de-France Mobilités para a Vice-Presidencia e Laura Delgado-Hernandez, responsável pelos assuntos externos da CRTM (Madrid), como tesoureira.

A EMTA – European Metropolitan Transport Authorities é uma organização sem fins lucrativos criada em 1998 que reúne 34 autoridades de transporte de 21 grandes metrópoles europeias com o objetivo de partilha de informação, experiência e boas práticas em diversos campos: planeamento, integração e financiamento dos serviços de transporte público. Com os resultados deste intercâmbio de conhecimento, a EMTA pretende melhorar a mobilidade sustentável para os mais de 100 milhões de europeus que vivem nas áreas servidas pelos seus membros.

É com grande orgulho que vemos a TML reconhecida internacionalmente, pela sua dedicação, vasto conhecimento e experiência nos serviços de transporte público de âmbito metropolitano.

Membros do conselho da esquerda para a direita: Lukasz Franek – Alex Williams – Dorthe Nøhr Pedersen – Faustino Gomes (vice-president) – Katalin Walter (president-elect) – Laurent Probst (vice-president) – Mika Nykänen – Laura Delgado (treasurer) – Lluis Alegre


TML lança navegante® empresas

Está lançada a mais recente iniciativa de responsabilidade social e ambiental da Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML).

Criado para simplificar a oferta do passe social a trabalhadores e familiares das empresas, o novo produto de assinatura navegante® pretende revolucionar a mobilidade urbana da amL, convocando a iniciativa privada a dar um passo na defesa do ambiente, garantindo o direito à mobilidade dos trabalhadores das empresas da amL com acesso ao passe navegante®.

O navegante® empresas chega agora para promover a mobilidade corporativa e alterar perceções, reduzir custos e poupar o ambiente.

Contribuir para a mobilidade sustentável, apoiar as métricas europeias de descarbonização das cidades e incentivar o uso dos transportes públicos é o triplo benefício associado à mais recente iniciativa da Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML).

Partindo da premissa que a visão estratégica de promoção de uma mobilidade sustentável deve ser parte integrante das políticas de responsabilidade social das empresas, a TML apresenta, no âmbito do Portugal Smart Cities Summit, uma modalidade inédita para as cidades, trabalhadores e empresas.

Lado a lado com autarquias e entidades públicas e privadas nacionais e internacionais, a TML envolve-se no evento que, de ano para ano, tem debatido e implementado as estratégias mais sustentáveis para melhorar o dia a dia dos largos milhares de pessoas que vivem em grandes e médias metrópoles.  

Fomentar a mobilidade urbana sustentável através do uso de transportes públicos em detrimento do carro, apresentando um conjunto de soluções que promovam a qualidade, cobertura e a fiabilidade dos mesmos são temas em destaque no stand e nas palestras da TML.

Triplo benefício

As organizações que adiram ao navegante® empresas poderão, em sede de IRC, deduzir no lucro tributável 150% dos gastos suportados com a compra de passes para os seus trabalhadores e familiares, de acordo com a lei nº 24-D/2022.

Segundo Rui Lopo, administrador da TML, num “futuro próximo”, as empresas poderão ainda beneficiar de um serviço de consultadoria para desenvolver uma estratégia de mobilidade adaptada a cada caso. “Não queremos que apenas ofereçam o passe aos seus trabalhadores, queremos que fomentem no contexto empresarial interno a utilização dos transportes públicos, assumindo publicamente o seu compromisso com a mobilidade e a redução da pegada carbónica. E, portanto, queremos trabalhar diretamente com as empresas na criação dos seus planos de mobilidade e assim promover uma maior eficiência e fiabilidade”, concretizou Rui Lopo.

“Reduzir as emissões associadas às deslocações urbanas, operando uma transferência modal para a qual devemos envolver as empresas e as organizações, trazendo os seus trabalhadores e familiares para o transporte público, é algo que pretendemos e queremos concretizar com o navegante empresas”, sintetizou o administrador da TML, Rui Lopo, na apresentação pública do navegante® empresas que reuniu o secretário de Estado da Mobilidade Urbana, autarcas e demais representantes do setor dos transportes da Área Metropolitana de Lisboa no arranque do Portugal Smart Cities Summit.

Alinhado com o cumprimento das imposições europeias em matéria ambiental, o navegante® empresas vem afirmar-se, simultaneamente, como um aliado da mobilidade urbana, colocando o transporte público no patamar de alternativa viável ao amplo desenvolvimento das cidades modernas.  “O nosso objetivo passa por repensar o funcionamento das cidades, ajudando também as empresas a cumprir um conjunto de metas e objetivos de sustentabilidade que têm de atingir”, reforçou Rui Lopo. 

“A mudança não se faz por decreto, faz-se mostrando que a alternativa é melhor do que a realidade que temos. Nesse sentido, o navegante empresas é uma forma estruturada de estimular um incentivo que a TML identificou com todo o mérito”, concretizou o Secretário de Estado da Mobilidade referindo-se ao benefício fiscal concedido às empresas que adiram à proposta da TML.

Na qualidade de Presidente do Conselho Metropolitano de Lisboa, Carla Tavares, realçou que “apesar dos benefícios fiscais, há acima de tudo um grande desafio de cidadania por concretizar que é o de trazer as empresas para uma mobilidade mais sustentável que passa pela utilização do transporte público.” enfatizando ainda todo o envolvimento do governo, AML, TML e autarquias na implementação do navegante como resposta ao grande desafio de mobilidade que se impõe na área metropolitana de Lisboa.

Para aderir ao navegante® empresas, basta preencher o formulário disponível no site www.comportamentosustentavel.pt.

TML apresenta novas propostas de mobilidade no Portugal Smart Cities Summit 2023

Sinónimo e regulador da mobilidade urbana na área metropolitana de Lisboa (amL), a Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML) participa, entre 10 e 12 de outubro, no Portugal Smart Cities Summit, na FIL – Feira Internacional de Lisboa, no Parque das Nações, com novidades tanto no universo navegante como na operação rodoviária da Carris Metropolitana.

Lado a lado com autarquias, outras entidades públicas e privadas nacionais e internacionais, assim como instituições de Ensino Superior e Secundário, Ensino Académico e Científico, a TML envolve-se no evento que, de ano para ano, tem debatido e implementado as estratégias mais sustentáveis para melhorar o dia a dia dos largos milhares de pessoas que vivem em grandes e médias metrópoles.  

Fomentar a mobilidade urbana sustentável através do uso de transportes públicos em detrimento do carro, apresentando um conjunto de soluções que promovam a qualidade, cobertura e a fiabilidade dos mesmos, são temas em destaque no stand e nas palestras da TML   

Autocarros elétricos e painéis de informação ao público

Com menor impacto ambiental e representando já 5% da frota, a aposta nos autocarros elétricos ZhongTong vai estar em grande destaque no stand da Carris Metropolitana, entre 10 e 12 de outubro.

A par da descarbonização da frota, a marca que gere toda a circulação pública rodoviária da amL também apresentará os novos, e ambientalmente eficientes, Painéis de Informação ao Público (PIP), estando ainda prevista a participação em palestras informativas, no dia 11 de outubro, entre as 15h15 e as 16h.

 

TML – compromisso com a mobilidade sustentável

Sinónimo de comprometimento com o futuro, a participação da TML no Portugal Smart Cities Summit pretende dar visibilidade às boas práticas no que respeita ao desenvolvimento de soluções de mobilidade cada vez mais sustentáveis na amL.

A par das imposições europeias que visam a adoção de comportamentos que contribuam para a urgente descarbonização do continente, o trabalho desenvolvido pela TML é mais um passo em frente, rumo ao ideal das cidades inteligentes.

Nesta “oportunidade para refletir sobre o futuro da organização das cidades de todo o mundo”, eficiência, mobilidade, o uso mais correto das plataformas digitais e as opções sustentáveis justificam a presença da TML no evento da Fundação AIP.


Com todos os pormenores a ser divulgados durante o seu lançamento às 17h do dia 10 de outubro, o navegante empresas pretende revolucionar a mobilidade urbana da amL, convocando a iniciativa privada a dar um passo na defesa do ambiente, garantindo aos respetivos trabalhadores e famílias o acesso ao título de transporte da área metropolitana de Lisboa (amL).

Contribuir para a mobilidade sustentável, apoiar as métricas europeias de descarbonização das cidades e incentivar o uso dos transportes públicos é o triplo benefício associado à mais recente iniciativa da Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML).

Partindo da premissa que a visão estratégica de promoção de uma mobilidade sustentável deve ser parte integrante das políticas de responsabilidade social das empresas, a TML apresenta, no âmbito do Portugal Smart Cities Summit, uma modalidade inédita para as cidades, trabalhadores e empresas.

Alargamento do prazo de utilização do desconto 4_18 e sub 23 até ao mês de outubro

A TML-Transportes Metropolitanos de Lisboa em articulação com o IMT – Instituto da Mobilidade e dos Transportes, alargou ao mês de outubro os descontos 4_18 e sub23 solicitados para o ano letivo 2022/2023.

Normalmente a validade destes descontos, atribuídos aos jovens estudantes matriculados no ensino básico e secundário e aos alunos do ensino superior, termina em setembro, excecionalmente este ano poderá também ser realizado o carregamento para o mês de outubro, desde que os carregamentos sejam realizados nos Espaços navegante da Carris Metropolitana.

Com este alargamento da validade dos descontos pretende-se aumentar o período em que ocorre a sua renovação e diminuir os constrangimentos nos locais de atendimento onde é normalmente realizada esta operação.

Saiba quais os locais disponíveis onde pode carregar o passe com acesso ao desconto 4_18 e sub23:

  • Carregamento de passe para o mês de setembro:
    • Em todos os locais habituais.

Transportes Metropolitanos de Lisboa e Transportes Intermodais do Porto assinam protocolos de cooperação com a Empresa Nacional de Bilhética em Angola

Pela sua vasta experiência e boas práticas no que respeita à mobilidade urbana e à implementação e gestão dos sistemas de bilhética, a Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML) e a Transportes Intermodais do Porto (TIP) estão a trabalhar com a Empresa Nacional de Bilhética (ENBI) no sentido de promover um intercâmbio de ideias e experiências nos domínios dos transportes.

De visita ao país, TML e TIP, assinaram esta terça-feira, 20 de junho, na presença do Secretário de Estado dos Transportes de Angola, Jorge Bengue Calumbo, dois protocolos de cooperação com a ENBI no sentido de estabelecer mecanismos que tornem possível a participação conjunta em estudos em áreas de interesse comum.

Para Mário Nsingui Pedro, Presidente da ENBI, “a qualidade e a eficiência dos transportes de passageiros em Angola, designadamente na sua capital, é um objetivo a cumprir com brevidade, porque os cidadãos precisam e merecem poder deslocar-se entre as suas casas e os seus trabalhos com mais celeridade e com mais conforto. E as empresas que constituem o sistema nacional de transporte devem concentrar-se cada vez mais na prossecução desta missão, até para aumentarem as suas receitas. A cooperação com entidades estrangeiras cuja experiência já deu frutos e é por demais conhecida é bem-vinda e dela esperamos resultados concretos para que os transportes de passageiros em Angola estejam ao nível do que realmente precisamos”.

Os protocolos celebrados hoje visam desenvolver a cooperação e o intercâmbio de ideias e experiências, nos domínios da mobilidade e dos transportes que tornem possível a participação conjunta em estudos, nomeadamente nas áreas de interesse comum, bem como o intercâmbio de formadores e especialistas com vista à partilha de conhecimento e à criação de sinergias no domínio da mobilidade urbana.

Futuro conjunto

Para Faustino Gomes, “este acordo representa o que entendemos ser uma parceria win-win, em que todos os parceiros ganham pela cooperação franca, pela troca de experiências e pela possibilidade de transferência de soluções que são importantes para as nossas empresas.”

Segundo o Presidente do Conselho de Administração da TML “as nossas empresas e os nossos trabalhadores cuidarão para que este protocolo seja muito mais do que um conjunto de intenções, e que, dentro de pouco tempo, possamos estar aqui a comunicar ideias partilhadas e a celebrar trabalho conjunto, concretizado em serviços que facilitem o dia-a-dia das pessoas”.

No mesmo sentido, Manuel Paulo Teixeira, acrescenta que “estamos certos que temos muito para partilhar bem como muitos ensinamentos para retirar desta experiência, num momento em que todos enfrentamos novos desafios ao nível da Mobilidade Urbana”, sublinhando “a vontade quase férrea do Presidente da ENBI, Mário Nsingui Pedro, quando em Dezembro de 2022 lhe apresentou a vontade de modernizar o ecossistema dos transportes públicos angolano através da criação de um sistema de bilhética intermodal”.

É intenção da ENBI e do governo angolano estabelecer um título de transporte único para facilitar a mobilidade urbana naquele país, sendo os títulos de transporte navegante® e andante uma experiência de sucesso e de comprovada melhoria no acesso das pessoas ao transporte nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto. Os passes navegante e andante vieram unir todos os municípios e todos os transportes destas duas regiões, sendo um exemplo de caso de sucesso a seguir.

À semelhança da TML e TIP, a ENBI tem assumido o compromisso de coordenar a implementação e assegurar a operação do Sistema Nacional de Bilhética Integrada (SNBI), assegurando a gestão do sistema informático de bilhética eletrónica e assegurar a capacitação de Operadores, Agentes Comerciais e regular a rede de comercialização de bilhetes multimodais e de tarifas de transporte. Tem igualmente responsabilidade no assegurar o registo de clientes, a emissão do Passe Social e o apuramento e repartição de receita aos operadores de transporte. Conta agora com a TML e o TIP para assegurar um transporte público de qualidade a toda a população.

Gira: navegante® já dá acesso às bicicletas partilhadas de Lisboa

Desta sexta-feira em diante, quem beneficia da medida da gratuitidade do passe navegante® em Lisboa já pode desbloquear uma das mais de 1.700 bicicletas partilhadas Gira que a Câmara Municipal de Lisboa e a EMEL têm espalhadas pelo município.

Para desbloquear os velocípedes basta escolher a opção de pagamento Gira/navegante® na aplicação Gira, disponível para Android e iOs.

Verificadas as condições de acesso e a prévia adesão à gratuitidade, a inscrição é validada garantindo o acesso dos lisboetas à chamada mobilidade suave.

Além da faixa etária, a condição é o comprovativo de residência fiscal no município de Lisboa.

Afinal, quem é abrangido nesta primeira fase?

Assim como acontece nos demais meios de transporte a circular na capital, jovens estudantes entre os 16 e os 23 anos e maiores de 65 são abrangidos pela gratuitidade no acesso às Gira.

São já mais de 80 mil pessoas a beneficiar da medida da gratuitidade nos transportes públicos promovida pelo município de Lisboa que podem agora alargar o seu benefício à mobilidade suave.

Com o navegante®, vai mais longe?

A medida implementada com o apoio da Transportes Metropolitanos de Lisboa no âmbito do sistema navegante® vem integrar a utilização do transporte público com a mobilidade suave promovendo uma mobilidade partilhada e económica e ambientalmente mais sustentável.

O navegante® tem uma nova rede de agentes – a Payshop

Com o objetivo de permitir que o maior número de habitantes da área metropolitana de Lisboa tenha, na proximidade da sua residência ou local de trabalho, um estabelecimento comercial onde possa carregar ou comprar o seu título de transporte, duplicamos o número de locais disponíveis.

A nova rede de agentes navegante® passa dos cerca de 400 estabelecimentos comerciais para 900, havendo a intenção de crescer até aos 1500 locais, fazendo uso da rede de agentes Payshop contratada pela Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML).


Como conhecer os locais de carregamento disponíveis?

A localização destes pontos de carregamento navegante® pode ser consultada através do website navegante.pt.

A rede de agentes navegante® está identificada com um autocolante que identifica o serviço, disposto na fachada dos Postos de Pagamento CTT/Payshop.

Num futuro próximo, o carregamento de títulos navegante® será alargado a Lojas e Postos CTT.


TML no ‘ RGPD, Estratégias para gerir a Privacidade de Dados e os Riscos de Segurança’

Com uma intervenção dedicada à Proteção de Dados no universo na Transportes Metropolitanos de Lisboa, a Encarregado de Proteção de Dados da TML, Carlos Fernandes, participa no próximo dia 23 de maio na mesa redonda ‘A Privacidade como Estratégia de Segurança’, no âmbito do evento ‘RGPD, Estratégias para gerir a Privacidade de Dados e os Riscos de Segurança’, no Auditório Axians, em Lisboa.

Organizado pela Axians e pela Quidgest, o evento que tem como objetivo central munir os profissionais, líderes e gestores dos esclarecimentos necessários para garantir a segurança da informação das respetivas organizações, reúne um painel de especialistas para debater as boas práticas de um desenvolvimento digital seguro, numa altura em que o mundo digital define a própria eficiência das empresas.

Direito à privacidade dos dados pessoais, controlo e segurança da informação que circula ou está disponível na web, gestão de risco e auditorias de seguranças vão fazer parte dos temas que os oradores convidados levam ao encontro. Cada vez mais na ordem do dia, o conjunto de regras e obrigações das empresas para garantir a conformidade e evitar infrações e coimas também vão estar em cima da mesa.

Além do Encarregado de Proteção de Dados da TML, Carlos Fernandes, participam o Diretor-Geral do Gabinete de Segurança Nacional, António Gameiro Marques, a Information and Business Process Management Systems Manager da Quidgest, Beatriz Guimarães, a Public Sector Sales Director da Quidgest, Carla Gomes, a Cibersecuruty Business Unit Director da Axians Portugal, Carla Zibreiro, a Presidente da APDPO, Inês Oliveira, o CISO da Lusíadas Saúde, Josué Delgadol, o Cybersecurity Consulting Manager da Axians, Miguel Gonçalves, o Information Secutity Officer da Leroy Merlin, Luís Ferreira, e o CISO do Eurobic, Miguel Jacinto.

O programa do evento pode ser consultado abaixo:

PROGRAMA

9h00 | Welcome Coffee

9h30 | INTRODUÇÃO

Carla Zibreira – Cibersecurity Business Unit Director da Axians Portugal

9h45 – 10h30 | A PRIVACIDADE COMO ESTRATÉGIA DE CIBERSEGURANÇA – Round Table

António Gameiro Marques – Diretor-Geral do Gabinete Nacional de Segurança

Carlos Fernandes – Encarregado de Proteção de Dados da TML

Inês Oliveira – Presidente da APDPO

10h35 – 11h20 | ZERO TRUST COM PRIVACIDADE: UMA FÓRMULA DE SUCESSO – Round Table

Josué Delgado – CISO da Lusíadas Saúde

Luís Ferreira – Information Security Officer do Leroy Merlin

Miguel Jacinto – CISO do EuroBIC

11h25 – 11h55 | Odisseia no (Ciber)Espaço

Visão Axians e Quidgest

12h00 | Fecho da sessão

Carla Gomes – Public Sector Sales Director na Quidgest

TML parceira do ‘Joga pelas Crianças’

Transporte oficial do evento solidário cujas receitas de bilheteira revertem a favor das crianças apoiadas pela Cruz Vermelha Portuguesa, a Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML) é uma das parceiras da 4ª edição do JOGA PELAS CRIANÇAS, a decorrer já a 3 de junho, no Estádio José Alvalade, em Lisboa.

Com a abertura das portas prevista para as 16h e uma Fan Zone com animação e exposições, todas as receitas do jogo, onde as equipas são constituídas por figuras públicas e alguns jogadores profissionais do desporto mais popular do mundo, revertem a favor de várias instituições ligadas ao desenvolvimento juvenil.

Ricardo Quaresma, Francis Obikwelu, Adrien Silva, Madjer, Pedro Fernandes ou o Chef Chakal são alguns dos “convocados” pela iniciativa que a TML decidiu apoiar, numa perspetiva de aliar o direito dos mais jovens a uma mobilidade urbana cada vez mais eficiente e, portanto, sustentável.

O JOGA PELAS CRIANÇAS é um evento solidário, em que todas as receitas de bilheteira revertem a favor das crianças de várias instituições em Portugal.
Sendo o futebol o desporto mais popular do mundo, porque não aproveitar esta popularidade e angariar um montante que pode mudar a vida de algumas crianças?

A iniciativa JOGA PELAS CRIANÇAS tem vindo a trabalhar para combater os problemas associados à AGENDA 2030. Dentro destes objetivos, tem vindo a desenvolver temáticas e apoios para:

  • Erradicar a pobreza e Erradicar a Fome. O objetivo principal tem sido angariar fundos monetários e alimentares para distribuir pelas principais Organizações Não Governamentais de Portugal, tais como a UNICEF Portugal; Liga Portuguesa Contra o Cancro; Cruz Vermelha Portuguesa e Associação Acreditar. Ao longo dos primeiros 2 anos de existência foram angariados cerca de 25.000,00€ (vinte cinco mil euros) e foram ainda distribuídos para a UNICEF cerca de 600 barras de sabão; 7.680 saquetas de micronutrientes; 3.600 lápis e 26.880 vacinas contra o Sarampo.
  • Saúde de qualidade. Melhoria da Ala pediátrica do IPO do Porto e Lisboa. Presença dos Embaixadores na sala do IPO de Lisboa para conviver com os pacientes.
  • Educação de Qualidade e Igualdade de género. Este ano foram criadas as TOUR
    ESCOLAS, temática que ajuda a promover uma melhor educação por várias escolas da área metropolitana de Lisboa e do Porto. Os temas de foco desta iniciativa são o Desporto,
    Alimentação Saudável e Igualdade e Inclusão, os objetivos específicos a atingir serão:
  1. Promoção da igualdade de género;
  2. Promoção da tolerância social e prevenção de fenómenos sociais assentes nas desigualdades;
  3. Prevenção da violência no namoro;
  4. Criação de espaço de consciencialização e discussão.
  • Produção e consumo sustentáveis e Ação Climática. Todo o processo envolvente na iniciativa JOGA PELAS CRIANÇAS é criado e desenvolvido para diminuir ao máximo a pegada de carbono e assim contribuir para a luta conta as alterações climáticas. Todos os materiais utilizados na produção do evento solidário JOGA PELAS CRIANÇAS são reutilizados nas edições seguintes. O merchandising utilizado pela marca JOGA PELAS CRIANÇAS é realizado através de uma linha sustentável, como por exemplo a bola wabada sustentável; brinquedos de praia feitos através de plástico reciclado, saco solúvel entre outros.

Interrupções nas linhas ‘verde’ e ‘amarela’ do Metro e serviços alternativos

Entre esta segunda-feira, 2 de maio, e 7 de julho, a circulação do Metropolitano de Lisboa vai estar interrompida entre Telheiras e Campo Grande (Linha verde) e entre Campo Grande e Cidade Universitária (Linha amarela), devido às obras de expansão e requalificação das linhas.

De acordo com o operador de transporte, a estação de Telheiras vai encerrar durante este período. Campo Grande e Cidade Universitária mantêm-se em funcionamento entre as 6h30 e a 1h.

Até à reposição do serviço, prevista para 8 de julho, os passageiros regulares das linhas em causa podem recorrer ao serviços da Carris, descritos abaixo.

No eixo Telheiras – Campo Grande, o transporte alternativo é garantido pelos autocarros

767 – Campo Mártires Pátria – Reboleira (Metro)

747 – Campo Grande (Metro) – Pontinha (Metro)

778 – Campo Grande (Metro) – Colégio Militar (Metro)

717 – Pç. Chile – Fetais

No eixo Cidade Universitária – Campo Grande:

738 – Estrada Luz – Alto Sto

735 – Cais Sodré – Hosp. Sta. Maria

701 (Campo Grande Metro – Campo de Ourique);

736 (Cais Sodré – Odivelas).

Além dos autocarros da Carris, o serviço da CP – Comboios de Portugal também poderá constituir uma opção de transporte através da estação Roma-Areeiro, para ligação às várias linhas do Metro, à correspondência,

Linha amarela – Estação Entre Campos

Linha azul – Estação Jardim Zoológico

Linha vermelha – Estação Oriente

Linha verde – Areeiro

Através da estação Roma-Areeiro, os comboios da Fertagus também fazem correspodência às ligações:

Linha amarela – Estação Entre Campos

Linha azul – Estação Jardim Zoológico

Linha verde – Areeiro

O que está a acontecer?

Com vista à criação de uma linha Circular, a intervenção vai integrar os novos viadutos executados a poente da atual estação Campo Grande à infraestrutura existente, permitindo a nova ligação entre as estações Campo Grande (linha Verde) e Cidade Universitária. Na ordem de trabalhos também consta a implementação de novos aparelhos de mudança de vida, possibilitando a nova ligação entre as estações do Campo Grande e Telheiras.

Assim, “a concretização destes trabalhos, pela sua natureza e complexidade, não é compatível com a circulação dos comboios e o funcionamento do serviço de transporte, obrigando à realização de um conjunto de interrupções de circulação temporárias e em partes das linhas Amarela e Verde”, justifica o operador.

Associado aos demais trabalhos previstos no Plano de Expansão e Modernização da rede do Metro – leia-se o prolongamento da linha Vermelha num eixo São Sebastião – Alcântara, construção da linha de Metro Ligeiro de Superfície Loures/Odivelas, novo sistema de sinalização ferroviária CBTC e aquisição de nova frota circulante – com ganhos significativos para a mobilidade e para o ambiente.  

Sabia que os títulos ocasionais também descontam no IRS?

Desde o início do ano que a totalidade do IVA suportado na compra de títulos ocasionais de transporte – navegante incluído, abate no IRS, até um limite de 250 euros por agregado familiar.

Assim, e tal como já sucedia com o IVA dos passes mensais, também a totalidade do IVA pago na compra de bilhetes daquela tipologia de transportes passa a ser dedutível ao IRS. A única condição é a validação da respetiva fatura no Portal das Finanças.   

Para usufruírem deste benefício, os contribuintes têm de associar o respetivo Número de Identificação Fiscal (NIF) à fatura e verificá-la através do ‘botão’ do e-fatura dirigido aos transportes coletivos.  

Em causa, a medida criada e aprovada no Orçamento do Estado de 2023 que junta à dedução do IVA pago na compra dos passes mensais, o imposto relativo à compra de bilhetes para viagens ocasionais nos transportes urbanos e suburbanos de passageiros.

De acordo com a legislação que aprova as contas do Estado para o ano corrente, a eventual dedução abrange quaisquer títulos “adquiridos a empresas com código de atividade económica (CAE) de transportes terrestres, urbanos e suburbanos, de passageiros; transporte interurbano em autocarros; transportes costeiros e locais de passageiros; transportes de passageiros por vias navegáveis interiores; e outros transportes terrestres de passageiros diversos”.

Poupar o ambiente e a carteira, só com o navegante®️. Agora dedutível em IRS no formato metropolitano, municipal e também ocasional.

Quatro anos de “poupança significativa” com o navegante®

Há quatro anos no bolso de quem, diária ou esporadicamente, circula em qualquer um dos transportes públicos da área metropolitana de Lisboa, o navegante® reuniu autarcas, governantes, operadores e autoridades de transporte em Sesimbra, numa iniciativa pública que vincou o papel do título de transporte no dia-a-dia das famílias e do país.

Determinante para assegurar o direito das populações à mobilidade, o tarifário que resultou do empenho e partilha de competências entre o estado central e os municípios da amL reforçou os compromissos com o futuro nos mesmos termos da sua criação.

“Para vencer o desafio da descarbonização temos de continuar o caminho que se iniciou em 2019 e apostar nos transportes coletivos”, fez questão de sublinhar o ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, numa perspetiva virada para a “importância que a mobilidade tem para atingir os objetivos coletivos” do país em relação às metas ambientais estabelecidas para as próximas décadas.

“Redução de 400 euros por mês”

Antes, quer o secretário de Estado da Mobilidade Urbana, Jorge Delgado, quer o Presidente da Câmara Municipal de Sesimbra, Francisco Jesus, destacaram os impactos da entrada em vigor do navegante® para milhares de famílias, na iniciativa que teve lugar no Cineteatro Municipal João Mota.  

Só em Sesimbra, a “redução de quase 400 euros por mês, no caso das famílias com três elementos” eleva o título de transporte a “medida com maior amplitude económica dos últimos anos no seio dos agregados familiares”, contabilizou o autarca e anfitrião da iniciativa que vincou as vantagens económicas e ambientais do navegante®.

O título de transporte da amL que o presidente da Área Metropolitana de Porto (AMP), Eduardo Vítor Rodrigues considerou um “verdadeiro exemplo” e que constitui um “motivo reforçado de confiança” para presidente do Conselho Metropolitano de Lisboa, Carla Tavares.

“Mudar a perceção” com o navegante®

De resto, com “97% das vendas face ao mesmo período de 2019”, o navegante® continua a afirmar-se como um aliado das famílias e da mobilidade urbana, segundo os dados apresentados pelo presidente e o vogal do Conselho de Administração da Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML), Faustino Gomes e Rui Lopo.

Sensivelmente quatro meses depois do arranque de 2023 e da decisão que manteve inalterados os preços a cobrar pelos navegante municipal (30 euros) e metropolitanos (40 euros) – “essencial para assegurar o direito das populações ao transporte”, segundo o primeiro-secretário da Área Metropolitana de Lisboa, Carlos Humberto Carvalho – a TML prepara-se para lançar uma nova campanha de consciencialização e apelo ao uso dos transportes públicos em detrimento do transporte individual.

O mote é “mudar a perceção” e mostrar que “o transporte público existe e tem muitas vantagens além do carro.” Criada para “desmistificar as vantagens do principal adversário dos transportes públicos”, a campanha que terá presença na televisão, rádio, imprensa e meios digitais pretende ainda contribuir para acelerar o compromisso coletivo com o planeta e uma mobilidade cada vez mais sustentável.

 “A comunicação em torno do transporte individual raramente partilha aspectos menos bons e temos de ser capaz de mudar”, sintetizou o presidente do Conselho de Administração da TML.

navegante®: quatro anos de compromisso com a mobilidade

Sinónimo de poupança para milhares de famílias, o navegante® comemora o quarto aniversário no próximo dia 1 de abril, com o compromisso da mobilidade sustentável reforçado pela consagração do direito ao transporte público e de qualidade.

Antes, já no dia 30 de março, a Área Metropolitana de Lisboa (AML) e os Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML) assinalam a ocasião com uma iniciativa pública, agendada para as 15h, no Cineteatro Municipal João Mota, em Sesimbra.

Entre o Parque Natural da Arrábida e o Oceano Atlântico, o município que assenta na extremidade sudoeste da península de Setúbal, serve de exemplo paradigmático ao alargamento da abrangência geográfica do tarifário que, não só se aplica a todos os meios de transporte, como é válido em qualquer um dos 18 municípios que compõem a área metropolitana de Lisboa (amL).  

Impulso para a melhoria da qualidade de vida das populações e prioridade política da Cimeira das Áreas Metropolitanas, o navegante® afirma-se como expoente máximo do empenho e da partilha de competências que permitiu ao Estado Central e às autarquias envolvidas aplicar, em prol da comunidade, o financiamento do Programa de Apoio à Redução Tarifária dos Transportes Públicos.

40 euros, todos os transportes em todo os municípios, também este ano, para assegurar a sustentabilidade do planeta e das cidades.

navegante® escola, agora em todos os graus de ensino

De agora em diante, todos os alunos que frequentem o 1º, 2º, 3º ciclos ou um dos três anos do ensino secundário em estabelecimentos de ensino de Lisboa podem deslocar-se em qualquer um dos meios de transporte que circulam na área metropolitana de Lisboa com o cartão navegante® escola emitido a custo zero. Continua ser necessário realizar o carregamento mensal do cartão navegante®.

Uma medida da Câmara Municipal de Lisboa tornada possível pela Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML) com o intuito de estimular a utilização dos serviços públicos de transporte, numa altura em que o planeta se vê a braços com uma crise climática e as instituições europeias colocaram a mobilidade urbana no centro das preocupações dos estados membros.

Reduzir o congestionamento automóvel afeto às escolas e promover a autonomia dos mais novos nas suas deslocações diárias também estão no horizonte da medida que vem facilitar o acesso dos alunos ao transporte público.

Na prática, desde que apresentem um comprovativo de frequência em qualquer um dos anos escolares de frequência obrigatória, num estabelecimento de ensino público ou privado, e da residência no concelho de Lisboa, todos os estudantes passam a poder requerer um cartão navegante® escola com todos os benefícios que lhe estão associados.

Atribuída por grau de ensino e não por idade, a gratuidade deste cartão personalizado pode ser atribuída a estudantes maiores de idade, desde que a prova da matrícula e frequência sejam apresentadas.

Para solicitar a emissão do navegante® escola, também é necessária uma fotografia tipo-passe.

O cartão navegante® escola oferece também acesso gratuito aos monumentos e museus da EGEAC. Agora, em todos os graus de ensino.

CP e Fertagus: Greve de quatro dias com serviços mínimos

Com a previsão de fortes perturbações na circulação ferroviária em todo o país, os trabalhadores da Comboios de Portugal (CP) iniciaram esta segunda-feira, 27 de fevereiro, uma paralisação de quatro dias, a terminar a 2 de março.

Praticamente em simultâneo, decorrerá a greve dos trabalhadores das Infraestruturas de Portugal (IP), a afectar diretamente a circulação dos comboios operados pela Fertagus, entre 28 de fevereiro e 2 de março.

De qualquer forma, foram decretados serviços mínimos na ordem dos 25% do total da operação em ambos os casos.

Tanto o site da CP como o da Fertagus disponibilizam toda a informação sobre os serviços a realizar esta semana.

biclaR: TML chama municípios a debater o futuro ciclável

Mais do que a idealização das infraestruturas necessárias para garantir condições mínimas à circulação de bicicletas nas cidades, pensar o futuro ciclável na área metropolitana de Lisboa implica a mudança de paradigma, que começa com o envolvimento ativo das entidades que, direta ou indiretamente, traçam o futuro da mobilidade do país e da região. 

Nesse sentido, após a conclusão do projeto Rede Ciclável Metropolitana – Estudo, Modelação e Ferramenta de Apoio ao Planeamento e Decisão, para obter o feedback sobre a utilização da ferramenta biclaR, avaliando ativamente os seus impactos na mobilidade ciclável a Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML) organizou três workshops: dois dirigidos aos 18municípios da área metropolitana de Lisboa – Alcochete, Almada, Amadora, Barreiro, Cascais, Loures, Lisboa, Mafra, Moita, Montijo, Odivelas, Oeiras, Palmela, Seixal,  Sesimbra, Setúbal, Sintra e Vila Franca de Xira, no dia 6 de março; e um terceiro às entidades do Conselho Consultivo do projeto, de que fazem parte, designadamente, o IMT, a ANSR, as forças de segurança, associações de utilizadores, promoção da bicicleta e mobilidade, operadores de transporte, Abimota, empresas de mobilidade e de comunicação. 

O que é a biclaR? 

Desenvolvida no âmbito do estudo que a TML realizou em parceria com o Instituto Superior Técnico, a biclaR recorre a mapas, gráficos e demais instrumentos de medição para analisar as potenciais viagens em bicicleta com origem em cada um dos municípios da área metropolitana, com vista a um futuro ciclável na região. 

Trata-se de um instrumento pensado para identificar a rede ciclável metropolitana prioritária e identificar as rotas com maior potencial de viagens de bicicleta. Esta informação é fundamental para os decisores no momento de planear e investir em infraestrutural. Permite também medir os impactos ambientais e avaliar as estratégias para a melhoraria da intermodalidade com os restantes meios de transportes que circulam na área metropolitana. 

Foram definidos três cenários, considerando o objetivo de atingir as metas da Estratégia Nacional para a Mobilidade Ativa Ciclável 2020-2030, com quotas de 4% e 10% de viagens em bicicletas em meio urbano: 1) viagens até 5 km; 2) viagens até 10 km e envolvendo utilização de bicicletas elétricas; 3) viagens até 5 km com complemento de transporte público.

Assim, esta ferramenta e a respetiva metodologia desenvolvida pela equipa do Instituto Superior Técnico, pode ser replicável noutras regiões do país, de forma a atingir os objetivos nacionais definidos para a mobilidade ciclável.

Image by Freepik

TML acolhe o ‘City Leadership Forum on Mobility’ com Lisboa em pano de fundo

Entre os dias 1 e 2 de março, a Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML) assume, juntamente com a Câmara Municipal de Lisboa, o papel de anfitriã do fórum da Cities Today Institute dedicado à mobilidade urbana. Arquitetado precisamente para discutir soluções e estratégias rumo à sustentabilidade, o City Leadership Forum on Mobility reúne entidades municipais, empresas e autoridades da área da mobilidade de todo o mundo desde 2015.

Mais que a partilha de conhecimento inerente à realização destes encontros, o objetivo é munir as cidades de ferramentas sustentáveis, numa altura em que as preocupações com o ambiente e a qualidade de vida das populações está na ordem do dia.  

Com os exemplos de mobilidade, inovação e intermodalidade de transportes da área metropolitana de Lisboa (amL) em pano de fundo, o painel de especialistas nacionais e internacionais traz diferentes experiências e casos práticos à sala do arquivo dos Paços do Conselho da Câmara Municipal de Lisboa.

Além do 1º secretário Metropolitano, do vice-presidente da CML, do conselho de administração da TML e dos responsáveis pela Cities Today Institute, marcaram presença presidentes e vice-presidentes das câmaras da Amadora, Antuérpia, Funchal, Oslo, Schaarbeek, Tampere e Vilnius. O encontro ainda contou com a participação da vereadora da Câmara Municipal de Braga e dos diretores municipais de Coimbra, Dublin, Genova, Graz, Helsínquia, Madrid, Riga, Sevilha, Turku, Zagreb, Zurich e responsáveis de empresas ligadas à mobilidade a nível internacional.

A TML enquanto anfitriã apresentou a trabalho que tem sido desenvolvido na área metropolitana de Lisboa para promover um melhor acesso ao transporte com a concretização do passe navegante, focando o investimento realizado que permite proporcionar aos cidadãos um tarifário único que cobre todos os modos de transporte e todos os municipios; o aumento de oferta concretizado com uma nova operação rodoviária consolidada que unifica e simplifica e com a gestão de um sistema único e partilhado que serve todos os modos de transporte e permite implementar soluções que cumprem os objetivos de sustentabilidade e de serviço às pessoas.

Rumo à mobilidade sustentável, a TML diz presente e recebe o City Leadership Forum on Mobility depois de Londres, Los Angeles, Nova Orleans, Viena, Vancouver, Amesterdão, Chicago, Praga, Hamburgo, Bristol, Boston, Dublin, San Diego, Portland, Bruxelas, Moscovo, Kansas, Lima, Bogotá, Barcelona e São Paulo.

Viajar de transporte público em território nacional vai ser futuramente mais fácil!

TML – Transportes Metropolitanos de Lisboa une-se aos TIP e ao IMT – Instituto da Mobilidade e dos Transportes para iniciar um projeto de cooperação com o objetivo de criar uma plataforma de abrangência nacional promotora da bilhética intermodal. Um projeto que visa a partilha de recursos, conhecimento e desenvolvimentos já realizados nesta área.
A plataforma 1Bilhete.pt pretende promover a utilização de cartões e bilhetes nas diferentes áreas metropolitanas e integrar serviços de mobilidade, possibilitando a um passageiro adquirir ou validar títulos de transporte de outros sistemas sem necessitar de adquirir um novo cartão, preservando a sustentabilidade.

Dia Mundial das Zonas Húmidas: vá de navegante e brinde ao planeta Terra

Neste dia 2 de fevereiro, a Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML) volta a assinalar o Dia Mundial das Zonas Húmidas, convidando os habitantes da área metropolitana de Lisboa (amL) a visitá-las de transportes públicos, preservando o habitat natural das mais variadas espécies animais e vegetais.

Mais do que as reservas naturais dos estuários do Tejo e do Sado, a amL convive e abriga a biodiversidade que caracteriza, entre vasas e charcos, as paisagens da Lagoa de Albufeira, dos sapais de Coina ou das marinhas de sal que ainda subsistem nos recônditos de Alcochete ou Moita. Moinhos de vento e de maré preenchem as paisagens das zonas ribeirinhas, tanto na margem norte como na margem sul.

A boa notícia é que qualquer um destes locais de interesse está à distância de uma viagem nos autocarros, barcos ou comboios incluídos nas rotas do navegante® metropolitano.

Todos os transportes. 18 municípios, apenas por 40 euros por mês. Também em 2023.

Redistribuição das carreiras no Terminal de Sete Rios e Areeiro

Tendo em mente a maior comodidade dos milhares de passageiros que diariamente dependem do Terminal de Sete Rios para as suas deslocações diárias ou ocasionais, as paragens da Carris e da Carris Metropolitana foram redistribuídas, no âmbito da obra em curso na Praça Marechal Humberto Delgado, junto ao Jardim Zoológico. 

Assim, por prazo indeterminado, os terminais 1 e 2 ficarão afetos às carreiras 770 e 58B da Carris e os 3 a 8 às linhas da Carris Metropolitana. A saber, 3720, 3721, 3717, 3705, 3711, 3716, 3796, 4730 e 4725.

Entretanto, e fruto da requalificação que a autarquia de Lisboa já está a levar a cabo no Terminal do Areeiro, as linhas 3703 Almada – Lisboa e 3710 Costa da Caparica – Lisboa, que anteriormente tinham como paragem final Sete Rios, foram deslocalizadas para o Terminal do Areeiro, que entra nas rotas da Carris Metropolitana.

Carris Metropolitana: Almada, Seixal e Sesimbra com reforço de serviços e utilização do Terminal do Areeiro

A Carris Metropolitana prepara-se para iniciar a operação de cinco novas linhas nos municípios de Almada, Seixal e Sesimbra, já a partir da próxima segunda-feira, 23 de janeiro, com destaque para o reforço das ligações à margem norte do Tejo.

Linhas em Almada

A Carris Metropolitana inicia a operação da linha 3705, que estabelece a ligação entre a Charneca da Caparica e o terminal de Sete Rios, em Lisboa, e a linha 3006 – circular da Aroeira –, garantindo à população um novo serviço de transportes de proximidade.

Outra nova ligação será entre Almada e Algés, efetuada pela linha 3701. Esta linha é a primeira a ligar a zona ocidental de Lisboa e Oeiras, com um município da margem sul.

Para melhor dar resposta à procura registada, a linha 3001, que já hoje liga Almada (Cristo Rei) e o Terminal de Cacilhas, passará a contar com mais 20 circulações diárias.

Área 3: Almada, Seixal e Sesimbra

Para promover a ligação entre o Seixal e Almada, entra em operação a linha 3505, entre Paio Pires (Farinheiras) e o Terminal de Cacilhas, num percurso semelhante ao serviço da antiga carreira 108, com horários sobretudo nas horas de ponta, garantindo a articulação com o barco.

Sesimbra também recebe uma nova linha, 3540 (Alfarim – Coina (Estação)), que irá garantir a ligação direta de Alfarim e Meco para a estação de Coina.

Utilização do terminal do Areeiro | 30 de janeiro

Um dos terminais de partidas e chegadas à capital, o Areeiro surge no mapa da Carris Metropolitana para as ligações margem sul -Lisboa. A partir do próximo dia 30 de janeiro, as linhas 3710 e 3703, da Costa da Caparica e do Parque Urbano de Almada, passam a iniciar e terminar o seu percurso no Areeiro, em Lisboa, deixando de utilizar o terminal de Sete Rios.Sobre a Carris MetropolitanaA Carris Metropolitana é uma iniciativa dos 18 municípios da AML –Área Metropolitana de Lisboa, que concretizam a obrigatoriedade legal de se concursar e contratar as redes de serviços rodoviários, e que, através Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML) implementa este projeto de grande dimensão que visa fundir a operação rodoviária de toda a amL numa mesma imagem, numa mesma marca, num mesmo nível de serviço, focado no serviço às populações, com um elevado grau de complexidade tecnológica e operacional, neste caso, sobretudo pela dimensão geográfica e populacional, reduzindo a idade média da frota em operação, introduzindo melhorias na performance ambiental nas viaturas, mais e melhor informação ao público que é também uniformizada e simplificada à escala metropolitana, e aumentando o número de horários e frequências até cerca de 40% acima do que era praticado antes da entrada em funcionamento. A Carris Metropolitana pretende contribuir para aequidade social e territorial na amL, fomentando a adoção de comportamentos sustentáveis. Opera as redes municipais para 15 dos 18 municípios (Barreiro, Cascais e Lisboa mantêm as operações locais) e a totalidade da operação intermunicipal dos 18 municípios

Carris Metropolitana: novo paradigma da mobilidade urbana já circula em toda a amL

A circular nos municípios da margem norte do tejo desde dia 1 de janeiro, a Carris Metropolitana opera em pleno nos 18 municípios da área metropolitana de Lisboa, trazendo um novo paradigma de mobilidade.

Num esforço que só se considerará satisfeito quando o transporte público for opção primeira para assegurar a mobilidade na área geográfica mais movimentada do país, a Carris Metropolitana predispõe-se a fundir, uniformizar e simplificar a operação rodoviária numa área urbana com cerca de 3 mil km2. Depois de Almada, Seixal, Sesimbra, Setúbal, Palmela, Moita, Barreiro Montijo e Alcochete, os municípios da margem norte, os autocarros amarelos chegam à Amadora, Sintra, Oeiras, Cascais, Lisboa, Loures, Odivelas, Vila Franca de Xira e Mafra neste primeiro dia de janeiro.

Contas feitas, e para já, conta mais de 20 mil horários / circulações num dia útil (mais 20% do que os horários do serviço anterior à Carris Metropolitana), que representam 30% de aumento no número de quilómetros em operação, mais de 700 linhas (das quais 13% são linhas novas), aproximadamente 12 mil paragens de autocarro, executados por 1575 viaturas das quais cerca de 70% novas (uma idade média da frota inferior a 1 ano), correspondente a aproximadamente 250 milhões de euros de investimento em frota, e conduzida por um total aproximado de três mil motoristas.

Assegurada no terreno pelos operadores que venceram o concurso público internacional para cada uma das quatro áreas geográficas, a operação da Carris Metropolitana garante o acompanhamento e fiscalização do cumprimento dos níveis de serviço definidos em contrato que será prestado por estas empresas. A saber, na margem norte do Tejo a Viação Alvorada e Rodoviária de Lisboa e na margem sul do Tejo TST – Transportes do Sul do Tejo e ALSA Todi.

A Carris Metropolitana salienta que a expansão da operação rodoviária aos municípios do norte, trará alterações, que por mais pequenas que sejam, causarão impactos nos hábitos quotidianos dos utilizadores, estando definidos os mecanismos de acompanhamento que garantem a gradual correção dos aspetos operacionais e a correta informação ao público.

Sobre a Carris Metropolitana: A Carris Metropolitana é uma iniciativa dos 18 municípios da AML – Área Metropolitana de Lisboa, que concretizaram a obrigatoriedade legal de se concursar e contratar as redes de serviços rodoviários, e que, através da empresa Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML) implementam este projeto de grande dimensão que visa fundir a operação rodoviária de toda a amL numa mesma imagem, numa mesma marca, num mesmo nível de serviço, focado no serviço às populações, com um elevado grau de complexidade tecnológica e operacional, neste caso, sobretudo pela dimensão geográfica e populacional, reduzindo a idade média da frota em operação, introduzindo melhorias na performance ambiental nas viaturas, prestando mais e melhor informação ao público que é também uniformizada e simplificada à escala metropolitana, e aumentando o número de horários e frequências até cerca de 40% acima do que era praticado antes da entrada em funcionamento. A Carris Metropolitana pretende contribuir para a equidade social e territorial na amL, fomentando a adoção de comportamentos sustentáveis. A Carris Metropolitana opera as redes municipais para 15 dos 18 municípios (Barreiro, Cascais e Lisboa mantêm as operações locais) e a totalidade da operação intermunicipal dos 18 municípios.